04 maio 2007

39 músicas (8)


Quando o Rei morreu, eu tinha dez anos. Chorei muito, junto com minha prima, da mesma idade. Minha mãe acabou rindo, dizendo que ela deveria chorar e não nós. Ficamos muito bravas, sentimos mesmo a morte do cara.
Nossa infãncia tinha sido acalentada pelos filmes-pipoca dele na sessão da tarde, era nosso ídolo, nessa fase bem trash-brega mesmo.
Eu o achava lindo, adorava todos aqueles filmes ridículos, adorava aquela capinha péssima. Sério, gostava mesmo.
Fiquei abalada com a morte, abalada em saber como a fama tão intensa pode ser cruel com as pessoas, pode ser dolorosa.

13 comentários:

  1. Vivien,
    Quem disse que Elvis morreu?
    Beijo

    ResponderExcluir
  2. Lord, ahhahahahahahah........

    ResponderExcluir
  3. Mamãe9:53 AM

    E que cara!!!!???? Eterno. Porem a
    a fase dele que mais me encantou, claro, anos 50/60.
    Veio com tudo, colocando todo uma geração, literalmente de cabeça
    para baixo. O rock era o máximo, para desespero dos pais.
    Saudadeeeessssssss.

    ResponderExcluir
  4. Pra mim ele tb não morreu, tá lá na prateleira e aqui no coração.

    ResponderExcluir
  5. Ma~e, eterno e lindo.;0)

    ResponderExcluir
  6. Rosamaria, adorei...rsr

    ResponderExcluir
  7. Vivien,

    Dele eu gosto bastante, especialmente a voz...

    I can’t help falling in love with you
    Words & music by George Weiss, Hugo Peretti & Luigi Creatore


    Wise men say only fools rush in
    But I can’t help falling in love with you
    Shall I stay
    Would it be a sin
    If I can’t help falling in love with you

    Like a river flows surely to the sea
    Darling so it goes
    Some things are meant to be
    Take my hand, take my whole life too
    For I can’t help falling in love with you

    Like a river flows surely to the sea
    Darling so it goes
    Some things are meant to be
    Take my hand, take my whole life too
    For I can’t help falling in love with you
    For I can’t help falling in love with you

    ResponderExcluir
  8. Ai, eu também adorava Elvis. Não perdia uma sessão da tarde com ele. Bons tempos....

    ResponderExcluir
  9. Clélia, eu me derretia toda com aquele sorriso...rs

    ResponderExcluir
  10. Lu, sessão da tarde não era o máximo com ele??? Eu adorava Feitiço havaiano...hahahahah....beijos

    ResponderExcluir
  11. Oi, Lu. Sou amiga do Sean, te descobri bisbilhotando os links do blog dele. Coincidências da vida: quando abri teu blog, estava ouvindo You re always on my mind, com ELE, que eu tinha baixado ontem pelo DreaMule. Pois vou te contar: aqui em Porto alegre, no bairro em que eu fui criança, tinha um cinema enorme, Cine Rey. Ali, eu conheci o Elvis, via aqueles filmes dele no Hawaii, como soldado na guerra, ficava babando meu vestidinho de broderie vendo ele cantar e se rebolar.
    Não sei se é pena que se foi: talvez tivesse virado um véio chato como o Roberto Carlos ou o Gerard Lenorman, que eu também amei uma época da minha vida.
    Um abraço
    maristela

    ResponderExcluir
  12. Vivien3:10 PM

    Maristela, adorei teu comentário, estou rindo até agora....rs
    Volte sempre.;0)

    ResponderExcluir
  13. Que saudade da sessao da tarde. E como ele era lindooooooooooo!!!!

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: