04 maio 2007

39 músicas (10)


Eu estava gravidíssima, Daniel iria nascer dentro de poucos dias. Foi a última vez que saí antes de ser mãe. Eu e meu ex marido fomos com alguns amigos em um bar em Barão Geraldo, o papo estava ótimo, eu estava com um vestido de bolinhas e estava me sentindo linda e grávida, com aquela luz que as gravidinhas tem.

Parei de conversar pra ver esse vídeo. Fiquei lá, viajando nesse vídeo enquanto a mesa continuava a conversar. Adoraria que alguém o explicasse pra mim, adoraria compreender todos os símbolos e referências que ele faz. Sou seduzida por ele, escuto, vejo, e sou novamente a jovem quase-mãe pensando em bebês, sonhos, anjos e deuses, sorrindo no meu vestido de bolinhas.

12 comentários:

  1. Vivian,
    A memória, às vezes, nos faz voltar no tempo.
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Lord : e não é essa a magia na memória?

    ResponderExcluir
  3. Meu primogênito era pequenino quando essa música fez sucesso... e ela me traz lembranças boas de eu dançando com ele no colo, ele rindo, eu rindo... girando... porque a música não é super rápida, mas também não é lenta e ele adorava essa batida.

    ResponderExcluir
  4. Cláudia, que delicia, to vendo a cena.;0)

    ResponderExcluir
  5. Eba mais um ponto pra Vivien :)

    Adoro o R.E.M e olha só, esse fim de semana baixei essa música porque ainda não tinha e tenho ouvido ela todos os dias.

    Beijos

    ResponderExcluir
  6. O clipe é ótimo, a música ótima também. Mas explicar a sua simbologia só consultando o Michael Stipe.

    ResponderExcluir
  7. Márcia, já te falei...somos da mesma tribo.;0)

    ResponderExcluir
  8. Lino, manda a referência pra mim? beijos.

    ResponderExcluir
  9. E por falar em memória, Lord & Vivien... eu ‘tava lendo:

    “Cada pessoa tem suas relíquias, umas guardam moedas, outras, miniaturas, outras cartões-postais, mas os mais valiosos tesouros para mim são as lembranças, mais que os livros, a lembrança está acima do tempo, a lembrança ninguém nos pode tomar, ninguém pode penetrar a lembrança nem controlar, para lembrar somos completamente livres.”

    [extraído do livro “Deus-dará”, de Ana Miranda, 2003, Casa Amarela, pág. 18]

    bjo,
    Clé

    ResponderExcluir
  10. Clélia, adorei.;0)
    Só li um, liro da Ana Miranda ( O retrato do rei) e gostei demais.Usei trechos em aula.beijos.

    ResponderExcluir
  11. 'Tô me deliciando com este, Vivien, que o Arnaldo indicou... Ela escreve muito bem, de uma forma simples, clara e envolvente! É a primeira vez que a leio.

    ResponderExcluir
  12. Nao me lembro do video, mas essa foi uma daquelas musicas que eu escutava 500 vezes seguidas e mais 500 e mais 500.
    O texto ficou tao bonito qt a musica, tudo por conta de um vestido de bolinhas.
    :o)

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: