04 maio 2007

39 músicas (6)


Eu já disse pra vocês que é impossível pra mim, ouvir as músicas que meu avô tocava e cantava sem chorar. E é. A saudade me bate tão forte que é insuportável.

Essa música aqui ele cantava de forma tão linda, pena que eu não tenha gravado pra mostrar pra vocês.

Pensem em um monte de crianças em redes, adultos espalhados em cadeiras, pensem em uma grande varanda e um luar absurdo. Pensem em isso tudo iluminado por lampiões, pensem nesse sítio e nessa família.

Pensem em um velho com seu violão, cantando pra sua família e pra lua.

Eu me lembro, eu me lembro de forma tão intensa que dói.

24 comentários:

  1. Pense que vc teve a sorte de poder curtir estes momentos. E relembre de vez em quando, nem que seja para chorar o choro que muita gente gostaria de poder chorar.
    bjs e ótima semana

    ResponderExcluir
  2. Vanessa8:29 PM

    Lindo mesmo! Existem um par de músicas que nao posso ouvir que lembram pessoas queridas que já se foram. Ao mesmo tempo, é gostoso ouvi-las, dao uma saudade cálida dentro do peito...

    ResponderExcluir
  3. Vivien,
    Também sou muito chorão. Algumas músicas puxam lembranças que nos enchem os olhos.
    Beijão

    ResponderExcluir
  4. mamãe10:55 AM

    Eu Também...as saudades doem mesmo.
    Eramos felizes e sabíamos. Tudo era alegria e contávamos com ela pra tudo. Nada prejudicava nosso bom humor, das caminhadas pelas manhãs ao rio (que tinha um palmo de profundidade), as tardes preguiçosas e as noites enluaradas.
    Fomos abençoados em viver momentos tão lindos.
    mamãe

    ResponderExcluir
  5. Vivien

    Idéia maravilhosa essa tua de colocar as músicas até o aniversário! Até aqui adorei todas!

    Tu estás lá no meu blog, pena que não tinha foto pra colocar.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  6. Vivien, é bom lembrar das coisas boas.
    A música entra só como o "despertador", desencadeia a emoção. A sensibilidade fica por nossa conta.
    Parabéns.
    Um beijo grande

    ResponderExcluir
  7. Que bonito, Vivien! Tu tiveste uma convivência maravilhosa com avós, tio(a)s...uma super família. Isso aparece lindamente em teus textos. Bjs.

    ResponderExcluir
  8. consegui imaginar toda a cena! Bonita a relação com seu avô...
    beijos

    ResponderExcluir
  9. Agora me sentí sentada no chão, ouvindo as músicas.
    Recordações, de bons momentos, devemos eternizá-los.
    Beijos

    ResponderExcluir
  10. Julio, relembro sempre.;0)

    ResponderExcluir
  11. Frou,Vc chegou a ouvir o vovõ tocando violão?

    ResponderExcluir
  12. Vanessa, saudade cálida: vc traduziu muito bem. Volte sempre.;0)

    ResponderExcluir
  13. Lord, quando eu era garota, fingia que era durona. Mas hoje, assumo mesmo todos os choros.;0)

    ResponderExcluir
  14. Mãe,taí um tema pra vc colocar no seu futuro blog.;0)

    ResponderExcluir
  15. Rosamaria, obrigada.;0)
    To tentando colocar um avatar, vamos ver se consigo....

    ResponderExcluir
  16. Valter, a música é sempre o canal, a chamada pro lembrança.;0)

    ResponderExcluir
  17. Thelma, tive muita sorte.Beijos.;0)

    ResponderExcluir
  18. Jô, ele sempre entra nos meus textos, impossível não escrever sobre ele.;0)

    ResponderExcluir
  19. Anna, tb acho, escrever é eternizar na memória do Outro.;0)

    ResponderExcluir
  20. Esta gravação do Silvio Caldas é, mesmo, linda! Fiquei imaginando a cena com seu avô, o violão, e todos ao redor dele, na varanda, ouvindo-o cantar/tocar...

    Meu pai, qdo eu era garota, gostava de contar, pra nós, histórias de assombração... Eu tinha medo, mas adorava aqueles momentos!

    ResponderExcluir
  21. Clélia, meu avô também!!! E com efeito sonoro...barulho da chuva, do vento, da onça...e a gente ali, parado, morrendo de medo!!!.rs

    ResponderExcluir
  22. Noite cheia de estrelas
    Cândido das Neves


    Noite alta, céu risonho
    A quietude é quase um sonho
    O luar cai sobre a mata
    Qual uma chuva de prata
    De raríssimo esplendor
    Só tu dormes, não escutas
    O teu cantor
    Revelando à lua airosa
    A história dolorosa desse amor

    Lua
    Manda a tua luz prateada
    Despertar a minha amada
    Quero matar meus desejos
    Sufocá-la com os meus beijos

    Canto
    E a mulher que eu amo tanto
    Não me escuta, está dormindo
    Canto e por fim
    Nem a lua tem pena de mim
    Pois ao ver que quem te chama sou eu
    Entre a neblina se escondeu

    Lá no alto a lua esquiva
    Está no céu tão pensativa
    As estrelas tão serenas
    Qual dilúvio de falenas
    Andam tontas ao luar
    Todo o astral ficou silente
    Para escutar
    O teu nome entre as endechas
    As dolorosas queixas
    Ao luar
    __________

    endecha (ê) [Do esp. endecha < lat. indicta, 'coisas proclamadas', neutro pl. do part. de indicere, 'proclamar'.]
    S. f.
    1. Composição formada de estâncias de quatro versos de cinco sílabas.
    2. Poesia fúnebre, muito triste.
    3. Canção melancólica.

    falena [Do tax. Phalaena.]
    S. f. Zool.
    1. Gênero de insetos lepidópteros, noctuídeos, que reúne mariposas noturnas cujas larvas, fitófagas, são nocivas a culturas vegetais.
    2. Espécie, ou espécime desse gênero.

    ResponderExcluir
  23. Vivinha,
    Voltei, ouvi novamente e tive vontade de chorar. Alias, pensando no Seu Belo tocando a vontade de chorar eh quase incontrolavel!
    Eu nao vi o Seu Belo cantando, ou melhor, eu vi sim, naquela minha capacidade de incorporar memoria de historias contadas mtas vezes. Acho que posso dizer que vi o seu Belo cantando e fiquei emocionada!
    Talvez eu volte a este texto mais algumas vezes.
    :o)

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: