20 abril 2007

Linha, agulha, tecido


Eu estava lendo a Anna e vendo que ela costura. Comentei por lá: ainda quero aprender a costurar. Duas irmãs de minha avó eram costureiras, faziam coisas lindas, fantásticas mesmo. Eu adorava aquele barulho da máquina de costura, antiga, linda, que reivindiquei e hoje é minha. Nenhuma delas está aqui, minha avó também não está, mas a máquina - daquelas com pé de ferro - agora está comigo.

Como eu contei na Anna, há alguns anos, quase 15 , tentei aprender a costurar.

Primeiro vamos saber porquê: bom, quando o Daniel nasceu , eu me sentia tão forte, tão especial, que achava que poderia criar qualquer coisa. A sensação de ter gerado vida e gerar alimento era muito, muito intensa. Eu nunca me senti tão mulher-maravilha com naquela época.

Aí veio uma vontade incrível de fazer coisas: queria mexer com cerâmica, fazer pão, costurar. Coisas eu sempre achei meio máginas, meio ritualísticas.

Mas meu ex-marido estava acostumado a me ver como a intelectual que gostava de política, que era ligada em outas coisas muito diferentes desse universo.Não me sentia presa a estereótipos: estereótipos são sempre tacanhos, as pessoas são maiores do que um estigma.

Não deixei de ser uma coisa pra ser outra, apenas agreguei coisas na antiga Vivien. Mas ele costumava dizer que tinha "namorado a Raquel e casado com a Ruth", numa referência ao remake "gêmea má x gêmea boa" que estava rolando na época.

Mas eu estava mais pra Visconde Partido ao Meio costurado: as duas partes, ou melhor, as várias faces de uma pessoa, de uma mulher. Não precisava escolher entre livros e panelas, podia ter ambas. Mas ele não entendeu isso.

De qualquer forma, ainda quero aprender, mas não posso negar, sou ruim demais. Disse isso na Anna: sou ruim mesmo, o pouco que consegui fazer ficou todo mocorongo, torto, uma desgraça.

Mas um dia vou sair toda linda e vestida "by Vivien".

Vai ser legal e vou contar aqui.

27 comentários:

  1. Nunca é tarde.
    bjs e ótimo findi

    ResponderExcluir
  2. Vivien,
    Habilidade manual não é pra todo mundo, mas... Mais vale um sonho.
    Beijão

    ResponderExcluir
  3. Vivien,
    Hehe, apenas pelo que li no post vi que você é uma mulher de muitíssimos predicados. Talvez costurar seja apenas unzinho que você não tem dentre os muitos que você tem. Mas não quero lhe desanimar, continue tentando!
    Não conhecia seu blog, gostei muito e vou te linkar. Beijinho

    ResponderExcluir
  4. eu não tenho habilidades manuais, minha mãe costura tri bem, cozinha tri bem , eu sou um fracasso e não to nem ai...rs em compensação, nos mues dj sets boto tudo pra dançar..rs

    ResponderExcluir
  5. A linha e o linho
    Gilberto Gil


    É a sua vida que eu quero bordar na minha
    Como se eu fosse o pano e você fosse a linha
    E a agulha do real nas mãos da fantasia
    Fosse bordando ponto a ponto nosso dia-a-dia
    E fosse aparecendo aos poucos nosso amor
    Os nossos sentimentos loucos, nosso amor
    O zig-zag do tormento, as cores da alegria
    A curva generosa da compreensão
    Formando a pétala da rosa, da paixão
    A sua vida o meu caminho, nosso amor
    Você a linha e eu o linho, nosso amor
    Nossa colcha de cama, nossa toalha de mesa
    Reproduzidos no bordado
    A casa, a estrada, a correnteza
    O sol, a ave, a árvore, o ninho da beleza

    ResponderExcluir
  6. Não sou habilidosa com as mãos tb. Ao menos pra costura, bordado, desenho, pintura, jardinagem (não tenho, definitivamente, "dedo verde"!). Talvez eu seja boa no teclado, digitando/escrevendo, mas só (fazendo carinho & cafuné tb, vai). Acho que dá, muito bem, pra associar panelas & livros (basta gostar de ambos)! - seu ex-marido não entendia nada de diversidade! quem sabe, por isso mesmo, tornou-se "ex"...
    bjão,
    Clé

    ResponderExcluir
  7. Vi pois vou te contar um segredos eu faço vestidos de verao lindissimos para mim e para minha filhota...nada complicado...simples...mas o gosto que eeu tenho de ver acabado...e como se cada vestido tivesse um pouquinho de mim...como uma obra de arte...
    Beijinhos minha amiga cheios de saudades do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  8. *



    talvez ele tenha visto é que vc não tinha aptidão pra isso.
    nem sempre é fácil dizer pra quem se ama que ansiedade criativa não é igual a talento.
    apesar que persistência, ajuda.




    *

    ResponderExcluir
  9. Vi, cade o email do R qu eme prometeste...
    beijinhos carinhosos do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  10. Vi, cade o email do R qu eme prometeste...
    beijinhos carinhosos do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  11. olha, minha mãe era uma costureira maravilhosa. eu cresci entre linhas, dedais e pedrarias. e não sei pregar um botão. não é nem negação de estereótipo ou tentativa de superar a mãe, é pura falta de talento minha. não tenho o menor jeito, sou a síntese do desastre nas tais artes manuais. como a Clélia, não tenho o "dedo verde" (putz, adorei isso). mas, pô, não é meio sacanagem querer culpar o ex por não desenvolver uma coisa que a gente tava a fim? sei lá, ex parece bom pra levar umas culpinhas. :P

    ResponderExcluir
  12. Julio, também acho...rs...bj.

    ResponderExcluir
  13. Lord, com certeza ..não é uma de minhas qualidades, mas ainda vou tentar..;0)

    ResponderExcluir
  14. Ana Paula, obrigada! Volte sempre,;0)

    ResponderExcluir
  15. Lady A., minha avó dizia isso: suas habilides são outras.;0)
    Mas eu ainda tenho essa coisa mística de aracne...ainda vou costurar...;0)

    ResponderExcluir
  16. Clélia, tai...tb tenho habilidade pra cafuné.;0)

    ResponderExcluir
  17. Xon, eu cozinho hiper bem e ele continuava preocupado com os estereótipos...eu estava c*** pros estereótipos.Acho quem a Clé tem razao, ele nao sacava nada de diversidade...hahahahh

    ResponderExcluir
  18. Adriana, sorry,....to mandando.

    ResponderExcluir
  19. Márcia, "culpar o ex".. nesse texto? sério?...rs...
    O que eu disse foi que ele pirava quando eu me interessava por qq coisa tida como "do universo feminino", talvez porque tivesse que romper paradigmas, pois ele foi criado dentro desse universo mais "convencional". Eu não fui, minha mãe é completamente diferente desse modelo, posso transitar entre os estereótipos. E como já disse aqui, estou c*** pros estereótipos.

    ResponderExcluir
  20. Vivien
    Meu avô era alfaiate, minha avó e minha mãe, além de alta costura faziam de tudo. Minha mãe começou na alfaiataria aos doze anos, então me criei no meio disso, não tinha como não aprender. Sou habilidosa, sei fazer muita coisa com as mãos, além de carinho e cafuné.
    Mas recebi de herança, além da habilidade, o problema nas articulações, que me proíbe de fazer o que sei e gosto. Ainda bem que agora temos outras alternativas de bem viver, apesar de tudo...

    Se tens vontade e alguma habilidade que seja, vai firme que tu consegues, não e TÂO difícil assim.
    E depois nos mostra teus feitos.

    Bjs.

    ResponderExcluir
  21. Vivien5:32 PM

    Rosamaria, fiquei morrendo de curiosidade, essa experiência daria um lindo post. Escreve....? Eu adoraria ler. Grande beijo.

    ResponderExcluir
  22. eu tinha uma obsessao por costura e insisti por muitos anos. costurei muita roupa pra mim, pro meu marido e pro meu filho.. :-) o problema eh que eu nao tenho a paciencia necessaria, entao finalmente acabei desistindo. hoje, tenho uma maquina que uso pra pouquissimas coisas. mas qdo eu criava meus outfits, me sentia o maximo. pra mim nao era muito terapeutico costurar, mas o exercicio criativo e o fato de eu ter uma roupeta que ninguem tinha valia o sacrificio nao-zen! :-))

    eu acho uma experiencia legal, vah em frente!

    bjs,

    ResponderExcluir
  23. Fezoca, essa coisa de ter algo único e criado por mim mesma, me parece tão bacana!!! beijocas,.

    ResponderExcluir
  24. e aqui eu escrevi uma carta e não saiu!

    em resumo: explora meu blog que vais ver alguns trabalhos meus. fazia muito mais, mas não guardei tirei fotos.

    bjs.

    ResponderExcluir
  25. Rosamaria, obrigada pelo convite, vou sim,;0)

    ResponderExcluir
  26. mamãe8:44 AM

    A 1ª peça de costura que fiz na vida,foi um vestidinho para você quando tinha uns 6 meses. Apesar de ter a técnica porque ví uma vida inteira as minhas tias costurando, não tinha a prática.
    Por conta disso eu tentei me esforçar o máximo para ver voce com uma roupinha feita por mim.
    Era um luluzinha branco terminando com duas ordens de babadinhos, um must na época, registrei, veja a foto.
    mamãe

    ResponderExcluir
  27. Mãe, vc é uma daquelas raras; tudo o que faz fica lindo.;0)
    E quanto vai fazer seu blog????

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: