19 abril 2007

Pão novo


Como meu amigo Arnaldo me disse que estou dando "pão velho" pra quem vem aqui, está aqui um "pão novo".
Eu assisti uma breve reportagem (?) sobre um encontro cultural (?) entre guaranis e apaches.
A repórter pede ao cacique para entrar na casa, lá dentro, diz:
-geeeeennnnteee....
A mulher entra, diz geeeeente. A reportagem(?) já não prometia.Só faltava ela dizer:"que gracinha, eles tem cocarzinho....e redinha...ai, que meigo". Eu estava esperando isso.
O diálogo era insólito, a fulana olhava para as camas e colchões e perguntava:
- Foi sempre assim ou antigamente era diferente?
(resposta possível) - Foi sempre assim, usamos camas e colchões desde Cabral, sabia não???
(resposta do cacique) - Não, tivemos algumas modificações nos últimos anos.
Ela não parava nunca:
- vocês mudaram muito ou está igual antigamente?
( resposta possível) - "antigamente" , quando ,cara pálida?
( resposta possível) - não mudamos nada, sempre usamos chinelos havaiana e short.
( resposta do cacique) - mudamos um pouco, com roupas e língua. Mas ainda temos muitas tradições milenares.

Não preciso continuar, vocês já sacaram a dela. Agora me diz, com tanto jornalista competente no Brasil, porque eu vejo tanta porcaria por aí?

A reportagem falava , enfim, do encontro entre guaranis e apaches. Os últimos, com máquinas fotográficas, pouco se diferenciavam de turistas convencionais.
O tal encontro se limitou em psedo-shows em que uma e outra descendência das tribos se limitou a observar e dizer "legal".
Não é por nada não...mas minha concepção de troca cultural é um "pouco" diferente disso.Esse tipo de atividade, destituída de significado mais profundo, praticamente não acrescenta nada, a não ser fortalecer uma interpretação superficial sobre a população indígena, sua realidade e diferenças culturais.

16 comentários:

  1. Sibila11:32 AM

    Repórter "sem senso de noção". Vivien acho que tem muito repórter desse quilate e com essa proposta porque há uma maioria que comanda a imprensa (donos, chefes de redação, editores, etc) que tem interesse que assim seja. Tudo pasteurizado, prá dizer o mínimo, e que me desculpe o Pasteur.

    ResponderExcluir
  2. Vivien, vc diz isso porque não conhece os repórteres daqui da baixada santista. É de doer. Eu não aguento. AAninha se diverte com minhas cortadas. Mas é muita gente burra(dizer sem noção,é mais educado, mas eu acho que é burrice mesmo). A imprensa em geral, TV, rádio, ninguém parece ter estudado jornalismo.
    Ainda ontem eu comentava isso. Hoje para escrever uma coluna de jornal tem que ter diploma. Graciliano, Guimarães Rosa ou Jorge Amado morreriam de fome, não poderiam escrever em jornal. No entanto temos que engolir essas coisas aí.
    Hoje é dia do Índio, né? Coitadinho deles. E de nós. Não estamos muito melhores não.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. Sibila, irritante...e isso é enfiado goela abaixo. Eu fico fula.;0)

    ResponderExcluir
  4. Walter, lá em casa, quando vemos uma porcaria de reportagem ou propaganda ruim, sempre perguntamos " e eles estudaram pra fazer essa m***"???
    Mas não é privilégio deles...já trabalhei com cada professor, que pelamoooorrr...rs

    ResponderExcluir
  5. Cara de Índio
    Djavan


    Índio cara pálida,
    Cara de índio.
    Índio cara pálida,
    Cara de índio.
    Sua ação é válida, meu caro índio.
    Sua ação é válida, válida ao índio.
    Nessa terra tudo dá,
    Terra de índio.
    Nessa terra tudo dá,
    Não para o índio.
    Quando alguém puder plantar,
    Quem sabe índio.
    Quando alguém puder plantar,
    Não é índio.
    Índio quer se nomear,
    Nome de índio.
    Índio quer se nomear,
    Duvido índio.
    Isso pode demorar,
    Te cuida índio.
    Isso pode demorar,
    Coisa de índio.
    Índio sua pipoca,
    Tá pouca índio.
    Índio quer pipoca,
    Te toca índio.
    Se o índio se tocar,
    Touca de índio.
    Se o índio toca,
    Não chove índio.
    Se quer abrir a boca,
    Pra sorrir índio.
    Se quer abrir a boca,
    Na toca índio.
    A minha também tá pouca,
    Cota de índio.
    Apesar da minha roupa,
    Também sou índio.

    __________________________


    Todo dia era dia de Índio
    Jorge Benjor


    Curumim, chama Cunhatã
    Que eu vou contar

    Curumim, chama Cunhatã
    Que eu vou contar

    Todo dia era dia de índio
    Todo dia era dia de índio

    Curumim, Cunhatã
    Cunhatã, Curumim

    Antes que o homem aqui chegasse
    Às Terras Brasileiras
    Eram habitadas e amadas
    Por mais de 3 milhões de índios
    Proprietários felizes
    Da Terra Brasilis

    Pois todo dia era dia de índio
    Todo dia era dia de índio

    Mas agora eles só tem
    O dia 19 de Abril

    Mas agora eles só tem
    O dia 19 de Abril

    Amantes da natureza
    Eles são incapazes
    Com certeza
    De maltratar uma fêmea
    Ou de poluir o rio e o mar

    Preservando o equilíbrio ecológico
    Da terra, fauna e flora

    Pois em sua glória, o índio
    É o exemplo puro e perfeito
    Próximo da harmonia
    Da fraternidade e da alegria

    Da alegria de viver!
    Da alegria de viver!

    E no entanto, hoje
    O seu canto triste
    É o lamento de uma raça que já foi muito feliz
    Pois antigamente

    Todo dia era dia de índio
    Todo dia era dia de índio

    Curumim, Cunhatã
    Cunhatã, Curumim

    Terêrê, oh yeah!
    Terêreê, oh!

    ResponderExcluir
  6. Vivien,

    Não tenho mais paciência pras reportagens exibidas pelos canais abertos de TV. O pior é que eles têm grana, têm estrutura, mas produzem sempre reportagens absolutamente superficiais.

    Mas eu não acho que se deva focar o problema em cima dos jornalistas. Afinal, tem jornalista bou e jornalista ruim, assim como acontece com os professores, os historiadores e os engenheiros. O problema é que são justamente os jornalistas mais despreparados que são os escolhidos pelos grandes órgãos da imprensa. Afinal, qual é a grande empresa de comunicação que se interessa em ter jornalistas contestadores em sua folha de pagamento?

    ResponderExcluir
  7. Vivian,
    Quando eu era bem mais jovem li um livro chamado: "Enterrem Meu Coração na Curva do Rio". Falava sobre grandes índios americanos e os problemas que tiveram com a "civilizaÇão". Os nossos, os "tupiniquins", também sofreram muito. Continuam sofrendo, quando recebem esses repórteres tipo Hebe Camargo (- Que gracinha!). Pena que seja tão difícil para eles manterem um pouco de dignidade.
    Beijo

    ResponderExcluir
  8. Curumim
    Tatiana Rocha


    Era uma vez mata fechada era uma vez um índio
    E na oca sagrada, pajé rezava pro povo índio
    Era uma vez tupã lá no céu, cuidando do povo índio
    E na canoa remando, cacique traz peixe pro povo índio

    Cadê curumim cadê curumim
    Cadê o cocar do meu curumim
    Cadê curumim cadê curumim
    Cadê o arco e flecha do meu curumim

    Era uma vez e a lua brilhava cantava teu nome índio
    Eu sou jaci em tupi guarani cantava pro povo índio
    Era uma vez a moça formosa, mais linda pro povo índio
    Era cunhã, era cunhatã, dançando pro povo índio

    _____________________

    Curumim
    Djavan


    O que era flor
    Eu já catei pra dar
    Até meu lápis de cor
    Eu já dei
    G. I. Joe, eu já dei
    O que se pensar
    Eu já dei
    Minhas conchas do mar
    Ah! Minha flor
    Chega de maltratar
    O que mais pode agradar
    A você
    Eu já fiz tudo
    Cadê que adiantou
    Que louco
    Que é o amor
    Tem graça viver
    Quando ele fica de mal
    Não quer brincar

    Txucarramãe
    Krenacroro
    Kalapalo
    Yawalapiti iiii iiii
    Kamayurá
    Kayabí
    Kuikúru
    Waurà
    Suyá
    Awetí iiii iiii

    ResponderExcluir
  9. Vivien12:31 PM

    Clélia, "te cuida índio".;0)
    Principalmente dentro das escolas, onde a "cultura indígena " é "ensinada" como se fosse um bloco monolítico.
    beijos.

    ResponderExcluir
  10. Vivien12:34 PM

    Arnaldo, acho que é por ai. Claro que tem gente boa, eu morria ao ver o Augusto Nunes no Roda Viva - lá no século passado, literalmente - e mesmo aqui em campinas, na tv regional, tem gente muito interessante. Mas os manés ganham espaço...um horror.

    ResponderExcluir
  11. Vivien12:36 PM

    Lord, eu tive pesadelos quando li "Paraíso destruido" do frei Las Casas, toda a conquista foi violenta demais.
    E "repórte tipo hebe camargo"...rs...ninguém merece mesmo....rsrs

    ResponderExcluir
  12. Vivien12:37 PM

    Clélia, vc gosta de Marlui Miranda? Dá uma olhada, acho que vc vai curtir.;0)
    Ela tem um trabalho muito bacana com músicas indígenas.beijos.

    ResponderExcluir
  13. Vivien12:38 PM

    Cynthia, apareceu a margaridaaaaaaaaa!!!! que bom.;0)

    ResponderExcluir
  14. É verdade... esqueci da Marlui! Conheço, claro.

    ResponderExcluir
  15. Estrela do indaiá
    Marlui Miranda & Xico Chaves


    Índia, ainda índia
    Indiará, indiará
    Inda volto minha estrela do indaiá

    Como o rio, meu caminho corre sempre pra lá
    O que é rio no seu mundo é “Paraná”
    O que é peixe, e que navega no Araguaia é “Pira”
    O que é “Paraná-Waçu” é o mar

    Terra, em tukano é “Di’tá”
    Pedra, em wananá é “Ta’ca”
    Gente, em nhengatu é “Mirá”
    Passarinho é “Wira-miri”
    Cuva é “Amaná”
    Fogo é “Tata”
    É tatá

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: