15 fevereiro 2007

O Tempo devora tudo


Dei um certo vexame em um consultório hoje. Conversei com a médica e descompensei: desandei a chorar ali, patética e sozinha.

O caso é que tenho lúpus e tenho convivido com isso desde os 17 anos. Em outras palavras: 21 anos sem ir a praia, ou indo apenas no começo da noite, tomando cortisona e outros venenos, sem tomar sol e sem fazer todas as milhões de coisa que as pessoas fazem no sol.

Eu juro que nunca me rebelei, ou quase nunca, pelo menos.

Acabei sendo a lúpica exemplar: quem conhece alguém com o mesmo problema sempre me apresenta, como uma forma de dizer "olha só, dá pra viver super bem". E lá faço meu papelzinho polianístico de alto astral ambulante.
Já levantei muito astral de muita lúpica.Muita.

E não é sacanagem, me sinto muito bem praticamente todo o tempo.

Depois do nascimento do Daniel, fiquei com um problema renal que me levou a fazer quimioterapia por alguns meses. Eu sabia do risco, mas risco maior seria viver sem conhecer o Daniel.
Passa um tempo, faço de novo, passa um tempo....balbalablab.
É o tipo de coisa que destrói de uma forma tão intensa que fica difícil voltar a polianizar.
O dia seguinte é pior do que ressaca desgraçada de vinho barato. Pior mil vezes, é devastador.
O fato é que de alguma forma, eu achava que isso era reversível. Controlável, pelo menos.
Taí gente, não é.
A médica me disse isso com a naturalidade de quem diz isso todo dia " vamos tentar retardar a insuficiência, mas é impossível controlar ou diminuir".
Foi nesse ponto aí que eu comecei a chorar porque fui tomada de tal pavor que me senti com cinco anos.
Eu queria perguntar " e depois?"...quando não tiver mais jeito, qual será a solução, hemodiálise? transplante?
E eu só conseguia pensar: "caralho, eu não conheço Paris.....eu não aprendi alemão....eu ainda não fiz tanta coisa!!!"
Ela percebeu que eu não tinha consciência da gravidade, apesar desses anos de tratamento. Tentou me acalmar e eu tentei parecer 38 anos, mas ambas fracassamos.
Para tentar ver como "retardar" esse processo, devo fazer novos exames, novos tratamentos agressivos e uma modificação alimentar radical. Deverá ser sem sal e sem proteína.
Isso não é um fator limitador apenas no tocante ao delicioso "precado" da gula. Eu adoro ir em restaurantes, adoro cozinhar, adoro ir comer com amigos. Isso TAMBÉM eu não posso mais.
Nunca me perguntei isso, mas acho que está na hora: por que eu??
Porque coisas triviais que todo mundo faz, foram retiradas da minha vida há tantos anos?
Meu Melhor Amigo já me disse que acha engraçado eu, que costumo pontuar algumas frases com palavões, nunca usa-los aqui.
Não usava mesmo, porque um aluno poderia ver, poderia pegar mal....e....
Quer saber?
Foda-se. Caralho, caralho, caralho. Vou falar todos os palavrões que quiser.
Sem sal, sem sol, sem o que mais????
Caralho, ainda tem tanta coisa que quero fazer !!!!!
Caralho, ainda não conheço Paris!!!!!!
Caralho, que medo de morrer.

54 comentários:

  1. concordo: caralho, caralho, caralho.
    (mas que porra, caralho é um troço bom-pa-ra-ca-ra-lho.)

    sei não, mas Paris ainda é Paris, mesmo que vc tire o sal e a proteína. entende? :)

    ResponderExcluir
  2. Nossa Vivien!

    Tô emocionada demais pra dizer qualquer coisa nesse momento.

    Eu preciso digerir tudo isso que você escreveu aqui, então depois eu volto ...

    Por enquanto só vou deixar um beijo grande pra você.

    ResponderExcluir
  3. Sonia5:40 PM

    Vivien, só hoje vi seu comentário num post meu de 2 ou 3 semanas atrás e passei aqui para conhecê-la. Por que eu? É o que a gente se pergunta sempre qua algo nos atinge. Eu deixei que perguntar há alguns anos quando, num momento extremamente doloroso, me convenci de que não sou diferente dos outros nem tenho o privilégio de não sofrer. Seu problema é sério, eu sei, mas espero que uma palavra amiga sirva para alguma coisa. Um beijo da Sonia do "Contando Causos".

    ResponderExcluir
  4. Vivien querida,
    Às vezes a gente tem que dar belas recauchutadas e elas às vezes são uma merda de serem feitas! Mas, muita calma nessa hora! Vc está muito triste e é pra ficar, eu tb estou. Mas isso melhora! E Paris, querida, tem comida sem sal e sem proteína e que ainda é uma delííícia! Você verá!
    Fique firme e vamos em frente!
    Beijocas

    ResponderExcluir
  5. Adriana2:12 AM

    VI,qual a importancia de ainda nao conhecer Paris, Portugal Espanha? O teu tempo nao acabou...sempre achei que enfrentava com tanta serenidade seu problema e creio que vai saber enfrentar mais esta batalha, sem sal...come açucar....comida feita com carinho tem o melhor sabor do mundo...e voce tem uma pessoa do seu lado do qual com certeza te fortaleceu em muitos momentos dificeis, lutou pata te-lo e agora tem um homem (quase) do seu lado.
    Vem conhecer Espanha e iremos a Paris juntas...promessa feita...Vamos la animo minha amiga...a vida e feita de risos e lagrimas....mas e feita para ser vivida intensamente....

    Beijinhos do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  6. Põe pra fora mesmo todos os carlhos, os puta que pariu, os cus, bocetas que você tiver guardado.
    Fica mais leve mesmo.
    E volte a me encontrar.

    ResponderExcluir
  7. Vivien,

    Fiquei aqui, pensando o quê te dizer, até que me lembrei deste poema, qu'eu gosto muito:

    GESSO
    Manuel Bandeira


    Esta minha estatuazinha de gesso, quando nova
    – O gesso muito branco, as linhas muito puras –
    Mal sugeria imagem de vida
    (Embora a figura chorasse).

    Há muitos anos tenho-a comigo...
    O tempo envelheceu-a, carcomeu-a, manchou-a de pátina amarelo-suja.
    Os meus olhos, de tanto a olharem,
    Impregnaram-na da minha humanidade irônica de tísico.

    Um dia mão estúpida
    Inadvertidamente a derrubou e partiu.
    Então ajoelhei com raiva, recolhi aqueles tristes fragmentos,
    recompus a figurinha que chorava.
    E o tempo sobre as feridas escureceu ainda mais o
    sujo mordente da pátina...

    Hoje este gessozinho comercial
    É tocante e vive, e me fez agora refletir
    Que só é verdadeiramente vivo o que já sofreu.

    [extraído da "Antologia Poética de Manuel Bandeira", 12ª ed., Livraria José Olympio Editora, 1981]

    Concordo com a Tati, põe tudo pra fora, fique mais leve...
    bjo,
    Clé

    ResponderExcluir
  8. Ah, vá ouvir, lá no meu blog, o Paulo César Pinheiro declamando Infância...

    ResponderExcluir
  9. bah, querida, mas que merda! Merda, merda, merda (pois é, eu também não falo palavrão em blog - mas já perdi a calma e falei na sala de aula) Quem disse que o mundo é justo, a natureza é sábia etc estava nos gozando :(

    ResponderExcluir
  10. Vivien,
    minha linda, pode ser mais fácil de falar para quem está fora mas, caramba, você ainda tem muuuuita coisa pra fazer, para aprender, para acrescentar ao mundo.

    Hoje eu também vivo em "dieta". Decidi tomar vergonha na cara e me cuidar após o dia em que baixei de madrugada na Santa Casa, vomitando a alma, a pressão no teto e o coração na mão, achando que ia morrer sem ter feito nada e sem dinheiro nem para, pelo menos morrer com mais dignidade em um hospital particular. As pessoas olhavam pra mim e ficavam com dó das minhas lágrimas por acharem que eram somente pela dor, mas eram por raiva. Raiva de mim. Por saber que meu excessos, meus abandonos, me levaram até ali.

    Hoje a minha comida é super controlada no sal. Aproveitei e deixei de comer carne, o que me ajuda a controlar tanto o sal quanto a gordura. Achei, nos primeiros dias, que ia morrer de fome, de tristeza, sei lá. Me privava dessas coisas por minha culpa.

    Mas o mundo não acabou, estou aprendendo a comer direito, e manter minha pressão num nível aceitável. Talvez tenha que tomar remédio para o resto da vida, tenho que me policiar o tempo todo para não cair em tentação (o histórico familiar é pesado, hipertensão e diabetes).

    Mas hoje eu te garanto, Vivien: eu como bem. Meus amigos estranharam no começo, mas amigo que é amigo dá força e entende.

    O sol também tive que dispensar, por causa de uma enxaqueca fresca que só, é ver luz que já se rebela. Já me assustei até com um nódulo gigante no seio!

    E olha que ainda não entrei nem nas questões de Síndrome do Pânico que, sim, eu desenvolvi. Essa bendita me acorda toda madrugada com o coração igual bateria de escola de samba, e já me instaura aquela sensação de morte iminente.

    No começo eu sofro um pouco, mas depois, sabe o que eu faço? Respiro fundo, me acalmo, e encaro o bicho de frente. Ou ele ou eu. Mesmo que tenha que fazer isso de novo, todos os dias.

    Me vejo não perdendo coisas, Vi, mas ajustando. Talvez eu acredite que um dia vença os meus problemas pelo cansaço, mas acredito que os vença, sei que posso. E não vou deixar de fazer o que eu quero, não. Ainda quero visitar a Irlanda, conhecer o Globe, publicar meus livros, morar fora por uns tempos, aprender esgrima e violoncelo, escrever uma série para TV.

    A gente ainda tem muita coisa pra fazer, minha querida. Ainda vamos nos divertir muito.

    Beijo grande, e força.

    ResponderExcluir
  11. Bah, eu sei como é difícil conviver com algo que temos que carregar pro resto de nossas vidas. Eu, particularmente não, mas meu filho mais velho tem Anemia Falciforme, nasceu com ela e até a medicina ache um caminho, ou aconteção um milagre( e eu acredito neles), ele vai ter que conviver com ela.
    Ele também passou por momentos horríveis, difíceis e algumas vezes desesperadores, tipo: será que ele aguenta? Com certeza eu não senti na minha carne os sintomas (diversos, vários) que ele sentiu, mas tu que é mãe, deve saber que o que teu filho sente, muitas vezes tu sente o triplo, principalmente quando não pode fazer nada a não ser estar ao lado dele dando força. Eu recomendo: te agarra a teus amores, tua familia, teus amigos e tenha muito pensamento positivo, esperança e sobretudo muita fé.
    Eu carrego isto durante 25 anos e te digo: vale à pena e dá resultado.
    Um beijo.
    Luisa

    ResponderExcluir
  12. *



    que vc tenha chorado ou se desesperado, não é nada.
    é uma forma de botar pra fora a angústia e te preparar pra outra etapa.
    pensa bem: vc já aprendeu a conviver com algumas limitações que exigiram cuidados nos últimos 20 anos.
    tem força e grandeza pra driblar novos problemas, por mais difíceis que eles pareçam ser agora.
    sempre há uma forma de cozinhar diferente - ainda mais pra quem gosta - de achar um lugar pra ir com os amigos em que tenha variedade.
    e sempre há uma nova droga à espera de ser aplicada.
    vc é maior do que isso.
    e não é isso que vai dominar vc.




    *

    ResponderExcluir
  13. Márcia, Paris deve ser ainda Paris, mesmo sem sal e sem sol.

    ResponderExcluir
  14. Márcia K., obrigada, já tô mais tranquila hoje. Vou "retardar" o quanto puder esse processo.

    ResponderExcluir
  15. Sonia, a palavra sempre consola.

    ResponderExcluir
  16. Camu, estou organizando minha cabeça.

    ResponderExcluir
  17. Dri, promessa feita.

    ResponderExcluir
  18. Tati, vou por tudo pra fora.
    Porra, mil vezes porra.

    ResponderExcluir
  19. Clélia, absolutamente lindo.

    ResponderExcluir
  20. Maroto, a natureza tem humor negro.

    ResponderExcluir
  21. Alek, obrigada por dividir suas coisas comigo. E ainda vamos nos divertir muito.

    ResponderExcluir
  22. Lu, também acredito em milagres. Espero que seu filho esteja bem.

    ResponderExcluir
  23. Xôn, vc tem razão, não vai isso que vai me dominar.

    ResponderExcluir
  24. Adriana9:36 AM

    Vi essa musica me lembrou muito os momentos que esta vivendo agora...Beijinhos do outro lado do oceano

    Viver e Não Ter a Vergonha de Ser Feliz
    Gonzaguinha

    Eu fico
    Com a pureza da resposta das crianças
    É a vida, é bonita e é bonita
    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser um eterno aprendiz
    Ah meu Deus eu sei, eu sei
    Que a vida devia ser bem melhor e será
    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita
    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser um eterno aprendiz
    Ah meu Deus eu sei, eu sei
    Que a vida devia ser bem melhor e será
    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita
    E a vida
    E a vida o que é diga lá, meu irmão
    Ela é a batida de um coração
    Ela é uma doce ilusão, ê ô
    Mas e a vida
    Ela é maravilha ou é sofrimento
    Ela é alegria ou lamento
    O que é, o que é, meu irmão
    Há quem fale que a vida da gente é um nada no mundo
    É uma gota é um tempo que nem dá um segundo
    Há quem fale que é um divino mistério profundo
    É o sopro do criador
    Numa atitude repleta de amor
    Você diz que é luta e prazer
    Ele diz que a vida e viver
    Ela diz que melhor é morrer pois amada não é
    E o verbo é sofrer
    Eu só sei que confio na moça
    E na moça eu ponho a força da fé
    Somos nós que fazemos a vida
    Como der ou puder ou quiser
    Sempre desejada
    Por mais que esteja errada
    Ninguém quer a morte
    Só saúde e sorte
    E a pergunta roda
    E a cabeça agita
    Eu fico
    Com a pureza da resposta das crianças
    É a vida, é bonita e é bonita
    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser um eterno aprendiz
    Ah meu Deus eu sei, eu sei
    Que a vida devia ser bem melhor e será
    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita
    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser um eterno aprendiz
    Ah meu Deus eu sei, eu sei
    Que a vida devia ser bem melhor e será
    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita
    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser um eterno aprendiz
    Ah meu Deus eu sei, eu sei
    Que a vida devia ser bem melhor e será
    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita
    Viver, e não ter a vergonha de ser feliz
    Cantar e cantar e cantar
    A beleza de ser um eterno aprendiz
    Ah meu Deus eu sei, eu sei
    Que a vida devia ser bem melhor e será
    Mas isso não impede que eu repita
    É bonita, é bonita e é bonita

    ResponderExcluir
  25. Vai no meu blog que te mando um recADO ok beijinhos minha amiga

    ResponderExcluir
  26. Oi, querida.
    Eu fiz um post para você com a letra de uma canção em alemão, com tradução:
    http://tangodepalavras.blogspot.com/2007/02/sentimento-em-voga.html

    Queria escolher algo mais profundo e significativo, mas na pressa a única coisa que lhe consigo oferecer não vai além de um pouco de glamour ofuscado.

    A letra fala através de metáforas alegóricas do luxuoso mundo da moda fashion.

    Um grande beijinho!

    ResponderExcluir
  27. Dri, eu adoro essa música.Tô indo no seu blog.

    ResponderExcluir
  28. La Carmencita, danke.;0)

    ResponderExcluir
  29. Vivien, você vai viver sem sal, sem sol, mas ainda vai viver com muitas coisas mais importantes. Você está com o Daniel. E provavelmente ainda irá a Paris, com ele ou outra pessoa. Tem todo o direito de se rebelar e eu sei que realmente a batalha cansa. Mas sabe, como uma pessoa aqui, lembro de Manuel Bandeira, que temia a cada dia por causa da sua tuberculose, e morreu velhinho por algo que não tinha nada a ver. Seu tempo é seu e ninguém vai tirá-lo de você. O medo pode até tentar, mas não vai conseguir. Ah, quando meu pai não podia comer sal, compramos um daqueles porta-temperos cheios de pozinhos e ervas. De vez em quando as combinações ficavam horríveis, mas quando ficavam boas, nem lembrávamos que faltava o sal. Um beijo

    ResponderExcluir
  30. Carinho pra você, Senhora do Lago. Não vou dizer que vai ficar bem, que vai passar, que vai superar. Só carinho. Não tenho mais nada pra dar. Beijo.

    *E essa imagem de Saturno vai me fazer ter medo de ir na cozinha escura durante a noite. *

    Quando papai morreu, mamãe doou as roupas dele pra uma associação de voluntárias em oncologia.

    Estávamos esfaceladas. E a secretária da associação explicou como ela tinha vencido a dor da perda do pai: um dia depois do outro. Um dia de cada vez.

    Isso virou meio que meu mantra. Um dia depois do outro, um dia de cada vez.

    ResponderExcluir
  31. Putz...

    Pense pelo lado bom...

    Hj vc fez um monte de gente pensar melhor na própria vida

    E tem um monte de gente danda uma força danada por causa disso...

    Eu inclusive

    Força aê, moça, tamos contigo..

    ResponderExcluir
  32. Pode parecer tolo, clichê, mas a pergunta a ser feita não é "por que isso aconteceu comigo?", e sim "para que isso aconteceu comigo?".
    A resposta a esta questão é que será capaz de emprestar sentido a essa coisa absolutamente sem sentido que é a vida.

    ResponderExcluir
  33. Vivien,

    Eu nunca sei o que falar nessas horas. Aliás, sou péssimo pra dar pêsames ou parabéns. Não sei rezar, não sei dizer palavras confortadoras. Acho que não sei ouví-las também e é por isso que não as digo.

    Só sei oferecer meu abraço, por mais lacônico que ele seja.

    ResponderExcluir
  34. 新年快乐 (S) / 新年快樂 (T) / xīnnián kuàilè (novo ano feliz)

    ResponderExcluir
  35. *



    passei pra deixar um beijo, só isso.




    *

    ResponderExcluir
  36. Cheguei aqui através da menina-Eva (que eu conheci pessoalmente e amei!).
    E também deixo aqui meu carinho. Com a certeza que dias melhores virão.
    Beijo grande

    ResponderExcluir
  37. Nunca me perguntei isso, mas acho que está na hora: por que eu??

    Acho que a resposta a esta pergunta é: porque você é humana. E o ser humano, por ser tão complexo, é frágil, débil, passível de dores, "defeitos", problemas genéticos, doenças crônicas ou agudas... Faz parte da nossa condição.

    "Cada um sabe a dor e a delícia de ser o que é", já disse Caetano (e escrevi, num outro comentário, pra você).

    Bjo, abço & afago,
    Clé

    ResponderExcluir
  38. Achei, agora, em meus guardados, este poema:

    Solidão
    Paulo César Pinheiro


    Eu sozinho sou mais forte
    Minh'alma mais atrevida
    Não fujo nunca da vida
    Nem tenho medo da morte

    Eu sozinho de verdade
    Encontro em mim minha essência
    Não faço caso de ausência
    E nem me incomoda a saudade

    Eu sozinho em estado bruto
    Sou força que principia
    Sou gerador de energia
    De mim mesmo absoluto

    Eu sozinho sou imenso
    Não meço nunca o meu passo
    Não penso nunca o que faço
    E faço tudo o que penso

    Eu sozinho sou a Esfinge
    Pousado no meio do deserto
    Que finge que sabe o que é certo
    E sabe que é certo que finge

    Eu sozinho sou sereno
    E diante da imensidão
    De toda essa solidão
    O mundo fica pequeno

    Eu sozinho em meu caminho
    Sou eu, sou todos, sou tudo
    E isso sem ter contudo
    Jamais ficado sozinho

    ResponderExcluir
  39. Um beijo enorme. Mesmo. Junto, mesmo distante, bem junto de você. Com toda admiração, caralho.
    Lu.

    ResponderExcluir
  40. Lou, acho que vc tem razão, bj.

    ResponderExcluir
  41. Menina- Eva, o Cronos aí foi pra assustar mesmo....rs
    Obrigada, beijos.

    ResponderExcluir
  42. Poeta, valeu, eu mesma passei a pensar melhor sobre um monte de coisas.

    ResponderExcluir
  43. José, sua questão fez muito sentido pra mim.;0)

    ResponderExcluir
  44. Arnaldo, seu abraço já ta de bom tamanho, obrigada.;0)

    ResponderExcluir
  45. La Carmencita, obrigada de novo!

    ResponderExcluir
  46. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  47. Xôn, beijo pra vc também.;0)

    ResponderExcluir
  48. Aline, dias melhores virão.;0)

    ResponderExcluir
  49. Clélia, como sempre, vc com sua sensibilidade ímpar, traduziu tudo.;0)

    ResponderExcluir
  50. Lulu, beijos pra vc tb.;0)

    ResponderExcluir
  51. Ilustracao mostro... vida mostro.
    Desculpe, Augusta, mas faz 18 anos que tb me pergunto - pq vc
    Merda, pica, bosta, cu...

    ResponderExcluir
  52. Vida louca, vida aaaaaaaaaa
    Apesar de toda a merda, vc vai estar bem, sem sal e sem carne. Creio nisso! Sempre confiei nisso!
    Tempos dificeis... muito dificeis... Os astros iniciaram o ano detonando tudo, nao eh>
    Mas logo estaremos falando - A VIDA EH BELA. Vc sabe disso, nao eh> Talvez por um retardo mental, mas logo estaremos falando - como a vida eh bela... Eu estarei feliz falando isso e VOCE tb. Eh a vida doida...
    Como sempre.E isso nao eh polianisse. Eh forca de vida!

    ResponderExcluir
  53. FROU, eu sei. É exatamente como vc disse e como a gente tem feito nos últimos 18 anos....daqui a pouco vamos estar falando "caraca, como a vida é maravilhooooosa".;0)

    ResponderExcluir
  54. Vivien, eu tava te lendo e vim parar aqui neste post por acaso. Olha, se você ainda não tiver resolvido o problema das proteínas (pq o post é de fevereiro né, eu tô me oferecendo um pouquinho atrasada, mas o que vale é a intenção, e ela é sincera) eu posso te ajudar, a gente pode trocar informações pelo e mail ou msn pra eu poder elaborar algumas orientações, te passar um cardápio e receitas.
    Força viu!
    Beijo

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: