30 dezembro 2006

Solidão em Cem Anos


Eu terminei o livro ontem e fui pegar Cem Anos de Solidão pra reler. Mexi um pouco nos meus livros até lembrar que tinha dado de presente em um sábado feliz pro mesmo Namorado que tinha me dado Viver pra Contar.Ele estava fuçando nos meus livros - adoro isso, aliás - e ficou lá paquerando o livro que eu falava tanto.
Apesar de ele também gostar de García Márquez, não tinha lido esse.
- Leva, é seu agora.
Pra mim foi importante dar aquele livro, porque era o mesmo que eu comprei com 15 anos e que reli tantas e tantas vezes, até o ano passado.
Parece que os livros dados e recebidos de surpresa fizeram parte dessa história. Entre outros que dei e ganhei, me lembro , em especial do Ensaio Sobre A Cegueira e Ensaio Sobre a Lucidez, de Saramago. O primeiro já tinha lido e delirado, o segundo eu estava desejando.
Ganhei os dois e fiz tal estardalhaço , ele riu tanto, que entendi quando dizia que me fazia essas surpresas só pra ver minha reação.
Engraçado como parece que o García Márquez pontuou esse relacionamento que nasceu quase por descuido e terminou conturbadamente, quase um ano depois.
Logo nas primeiras manhãs, numa conversa sem muito nexo, eu disse que se aquilo que estavamos vivendo tivesse um título, seria ....Crônica de uma Morte Anunciada.
E foi.

15 comentários:

  1. Vivien,

    Eu já escrevi que tenho uma tradição de reler Cem Anos de Solidão a cada 10 anos. Já o li 3 vezes. O mais engraçado é que, embora eu já tenha comprado outra edição, mais nova, sempre releio o velho e encardido volume que li da primeira vez. Ele já está, aliás, soltando as folhas. Mesmo assim, em cada leitura, ele teve um sabor diferente.

    O que você leu, você já não tem mais. Vai ter que comprar outro. Que sabor ele terá?

    ResponderExcluir
  2. Clélia Riquino9:17 AM

    Não consegui ler Ensaio sobre a cegueira até o fim. Fui ficando tão sufocada e angustiada com a leitura que parei. Preciso retomá-la, um dia...

    ResponderExcluir
  3. Arnaldo, boa pergunta. Mas ainda que seja uma releitura e com novo sabor,ainda tem o poder mágico de me levar de volta pra casa dos Buendía. E acho que to precisandoa passar uns tempos lá...rs

    ResponderExcluir
  4. Clélia, profundamente,profundamente angustiante. Uma experiência única.

    ResponderExcluir
  5. Anônimo11:56 AM

    Vim te desejar um feliz 2007 e convidar para uma blogagem coletiva sobre o blog da Denise, topas?
    http://blogagenscoletivas.blogspot.com/

    P.S.: tb adoro Cem anos de Solidao!!!

    ResponderExcluir
  6. Anônimo7:23 AM

    ensaio sobre a cegueira é o melhor para os que pensam que enxergam muito bem as coisas
    Bjs e um marrravilhosso 2007.

    ResponderExcluir
  7. Anônimo5:37 PM

    fale-me mais sobre isso, minha amiga.

    ResponderExcluir
  8. anonimo, quem é vc?

    ResponderExcluir
  9. Guga, eu me identifiquei totalmente...com os cegos, óbvio.;0)
    Obrigada, beijos.

    ResponderExcluir
  10. Tati, vamos falar muito esse ano....beijos.

    ResponderExcluir
  11. Oi Vivien, vim conhecer teu blog, gostei muito!
    beijos e apareça mais lá no Volátil.

    ResponderExcluir
  12. olá, quase-xará, volte sempre! bj.

    ResponderExcluir
  13. Andrea Frou12:01 PM

    E eu emprestando todos os seus livros e ficando maluca com Ensaio sobre a cegueira.
    :o)

    ResponderExcluir
  14. FROU, eu SABIIIIIAAA que vc ia gostar. Agora me empresta aquele manual da inquisição que eu quero fazer um post sobre isso.;0)

    ResponderExcluir
  15. Oi,
    te achei nos blogs por aí, e estou te seguindo. Posso?

    Queres passar no meu cantinho e me seguir?

    Bjkas. Nara.

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: