07 fevereiro 2007

O passado batendo na porta


Semana passada um ex me ligou, disse que tinha esquecido um livro na minha casa ( séculos atrás) e se eu poderia entregar pra ele. Hum. Primeiro eu tinha que ver SE o livro ainda estava lá. Porque eu guardo presentes e lembranças, mas coisas esquecidas vão pro lixinho do banheiro. Eu fui lá ver, o livro tinha escapado com vida, estava lá.
Ok, vamos combinar então. Aí a coisa ficou assim: você pode na segunda, terça, quarta?
Eu não podia nenhum dos dias. Não é doce não, porque nem tenho saco pra fazer gracinha. Não podia porque tinha compromissos, pepinos pra resolver, abacaxi pra descarcar.Podia na quinta, aliás, até que eu fiz um super convite, a Tati vai cantar no Galleria e eu vou ver.Ele disse que não pode.Mas ele faz doce, ah, faz....conheço de outros carnavais.
Mas é sempre bom rever ex. Pelo menos quando dá pra lembrar dele.
Alguns da pra elaborar uma amizade sólida, profunda. Outros não. Eu tenho um ex que , com certeza, é a pessoa que mais me conhece e melhor sabe lidar comigo. Até o Daniel concorda, apesar de dizer que ele "ainda é um amador". Mas , com certeza, é um grande e querido amigo.
De qualquer jeito, gosto de rever ex. Porque fica claro pra mim, naquele momento, ainda que pontuado com esse ou aquele momento nostálgico, que acaba, que passa. É reconfortante saber disso, porque dentro do olho do furacão, eu me esqueço.

16 comentários:

  1. Não entendo gente que fica com raiva de todos sempre, aquele papo de 'não chamarei de amigo a quem chamei de amor' e 'na minha cadeira não senta quem se deitou na minha cama'. Pra mim é pelo contrário - meus ex são especiais, tanto é que um dia puderam ser mais que amigos. São mais que amigos pra sempre (alguns pro mal outros pro bem, é verdade, mas todos mais que amigos).

    ResponderExcluir
  2. Vivien6:45 AM

    Maroto, concordo plenamente com vc, vc acertou em cheio.;0)

    ResponderExcluir
  3. Admiro essa capacidade.
    Pouquíssimos ex me agradam rever.

    ResponderExcluir
  4. querida,
    me perdoe a ausência por aqui. anda tão atarefada correndo atrás do vil metal que nem tenho tempo pra sonhar.
    mas eu volto

    ResponderExcluir
  5. Adriana11:24 AM

    TEnho poucas recordaçoes dos meus ex na verdade tive poucos, mas os que tive foram todos importantes.
    Beijinhos do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  6. Vi, que passa eu leio todos os dia seu blog e tu nao da nem uma passadinha no meu...Beijinhos

    ResponderExcluir
  7. É sempre bom ler vc, acredita que eu tb gosto de rever ex para sentir isso mesmo...mas em compensação ainda não cheguei ao nirvana de conseguir ser amiga de nenhum. Um cheiro.

    ResponderExcluir
  8. Tati, 'um grande amor do passado, se transforma em aversão"...mas alguns superam essa fase e isso é muito bom.;0)

    ResponderExcluir
  9. Dri, tem um oceano te separando deles.;0)

    ResponderExcluir
  10. Jan, "nirvana" foi ótimo...rs....eu fiquei anos sem falar com esse ex, mas superei isso - ele é cavaleiro demais pra dizer, mas acho que a raiva era recíproca..- e ele é, sem dúvida, meu melhor amigo.

    ResponderExcluir
  11. não sou como este urubu maroto e moderno.
    pra mim, ex bom é ex morto. :P
    foi lindo, acabou etc.
    e c'est finit.

    mas tem um ex que me acompanha há anos.
    como grande amigo e como ex sempre a um passo de voltar.
    coisa muito complicada, que só comprova a teoria de que ex a gente deve deixar no passado.
    sem mágoa, mas no passado.

    ResponderExcluir
  12. Márcia, acho que vou postar sobre as categorias de ex....vc me deu idéias.;0)

    ResponderExcluir
  13. eu concordo plenamente contigo e com a urubu... tirando um ou 2, sou bem amiga dos meus ex, sao todos pessoas especiais...

    ResponderExcluir
  14. Adriana, isso é reconfortante, ne? Eu acho.beijos.

    ResponderExcluir
  15. Não tenho "ex(s)", por isso não posso opinar. Mas, pra mim, é bastante estranho "odiar", ter "aversão" a alguém que se amou e com quem se conviveu um dia... Um dos dois, os dois, ou algo mudou mudou muito pra isso, não?

    ResponderExcluir
  16. Clélia, um relacionamento pode passar por um terremoto...e não restar nadinha.;))
    Triste...mas real.

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: