21 janeiro 2007

Eu, hoje II


"Foi o melhor dos tempos. Foi o pior dos tempos. A era da sabedoria. A era da tolice. Foi a primavera da esperança. Foi o inverno do desespero. Tínhamos tudo diante de nós. E nada tínhamos diante de nós. Caminhávamos todos rumo ao paraíso. Ou direto para o inferno."
Com essas palavras, Dickens inicia Um Conto de Duas Cidades.Quando eu terminar, comento aqui.
Mas é muito interessante como, em alguns momentos, me identifico fortemente com o que estou lendo. Ou com trechos das obras que estou lendo.
"Foi o melhor dos tempos. Foi o pior dos tempos."

8 comentários:

  1. Eu tb sou assim, Vivien. Gosto de ser fisgada, arrebatada, já nas primeiras linhas de um livro...

    Boa leitura! Bom mergulho, bom envolvimento...

    bjo,
    Clé

    ResponderExcluir
  2. Fui atrás do post "Eu, hoje". Encontrei-o, no arquivo de novembro, com uma ilustração de Picasso. Sem palavras. Só imagem.

    ResponderExcluir
  3. Clélia, arrebatada, exato!

    ResponderExcluir
  4. Clélia, aquele lá tinha que ser Picasso, por mil motivos.;0)

    ResponderExcluir
  5. Particularmente, gosto muito das suas dicas de leituras. Bj

    ResponderExcluir
  6. Tarcisio, obrigada.Vou escrever sobre os outros que estou lendo.
    beijao.

    ResponderExcluir
  7. Tentei ler um conto de duas cidades umas três vezes. Não sei se é o livro ou se sou eu que não tenho mais a disposição para encarar maçarocas de papel com histórias imaginadas.

    ResponderExcluir
  8. Vivien4:16 PM

    Zander, eu to mergulhada nele. O período me interessan, a sutileza caricatural como ele constrói os personagens, tudo me interessa. Mas comento melhor quando eu terminar.

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: