18 março 2010

alunos e avós I


Essa história tem uns dez anos. Eu trabalhava em uma escola deliciosa, com sala ambiente, turma pequena e interessante, onde experimentei e aprendi muito.
Uma das atividades que eu fazia e gostava muito era ajudar as crianças a escrever a biografia dos avós, trabalhos que saiam comoventes, lindos.
Uma das vezes, pedi a uma aluna que convidasse sua avó pra conversar com a turma. Elas toparam: preparei a moçadinha - uma turma maluca de quinta série, e já falei como as turmas de quinta série são...- pra receber nossa convidada.
Ela era uma senhora já bem idosa, bonita, simpática, cabelinho branco e colar de pérolas, "Composta" - diria minha avó.
Ela era ucraniana, falou sobre sua infância, as brincadeiras, família, tudo o que eles perguntavam.
A curiosidade deles era infindável, foi delicioso. Ela era o centro das atenções, da forma mais respeitosa que vocês puderem imaginar.
Contou que ainda muito jovem, fez um treinamento como paraquedista e foi para o exército, trabalhar como uma espécie de enfermeira, durante a segunda grande guerra. Contou sobre toda as mudanças trazidas pela guerra.
Explicou que foi se despedir dos pais, que choravam muito, e disse que em alguns meses eles se veriam novamente, não precisavam se preocupar.Ela fez uma pequena, emocionada e significativa pausa e acrescentou:
- Eu nunca mais vi meus pais.
A turma estava em um silêncio total. Jamais vou me esquecer da carinha deles, quando ouviram essa frase. Contou sobre sua vinda para o Brasil, sobre a pobreza que passou, sobre a barreira da língua. Disse o quanto se esforçaram para que todos os - oito - filhos estudassem, falou com orgulho sobre isso, sobre filhos e netos brasileiros.Saiu da sala com beijos das crianças e tão feliz quanto eles. E ficou na minha história pra sempre.***publicado originalmente em abril de 2007.

30 comentários:

  1. Vivian,
    Bonita história. Tenho um livro infantil, não publicado ainda (Sobre O Telhado Das Árvores) que conta a história de minha relação, quando era pequeno, com minha avó. Também tenho um fraco por avós, talvez devido ao fato da minha ter sido tão especial. Fiquei até com saudades dela.
    Beijão

    ResponderExcluir
  2. Me transportei para sua sala de aula agora.
    É interessante como eles se envolvem e gostam de atividades diferentes.
    E ainda quando o caso é uma avó, aí mexe com a emoção da turminha.
    Não tive o privilégio de conviver com meus avós. Quando nasci, todos já tinham ido embora, mas agora sou avó, e vejo a importância que tenhopara meu neto querido.
    Linda história.
    Um beijo

    ResponderExcluir
  3. que droga, vivien, me encheu os olhos de lágrimas! Logo eu, que não gosto de velhos e tenho filho na 5a série, então sei como eles são debochados... mas não deu. Virei uma urubua xarope mesmo!

    ResponderExcluir
  4. Linda história... essa vovó foi tuda nesse dia, aposto.

    ResponderExcluir
  5. História bonita e comovente! Também fiquei com olhos lacrimosos.
    Nós, os brasileiros, temos pouca noçao do que as guerras provocam na vida das pessoas. Nossa percepçao vem do cinema e dos livros, principalmente.
    Depois que vim morar aqui, e passei a ter contato com dezenas de famílias que perderam pais, filhos, avós, tios, amigos, na guerra, passei a ter uma dimensao mais próxima do que pode significar os atos bélicos e de terror. Aqui, acho que nao existe família que nao tenha sido marcada pela fome e pelas perdas de familiares. As histórias sao realmente chocantes. Esta é uma marca definitiva, indelével.
    Imagino que esta avó que fez a visita a tua turma de alunos deve ter vivido momentos de extrema dor....e sobreviveu! Sao todos resilientes.
    Teus posts sao maravilhosos!

    ResponderExcluir
  6. Vi, as palavras nao tem lugar nestas horas...deixo me levar pela emoçao...
    Beijinhos carinhosos do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  7. Tô na turma dos que ficaram com os olhos molhados! Que idéia fantástica essa que você teve! Sorte dos seus alunos. Beijinho!

    ResponderExcluir
  8. Vivien, não é que estes olhos já céticos teimaram também em marejar? Que delícia é poder ter avós, essa fonte generosa de sabedoria. E que bom é saber contar histórias assim como você sabe.

    ResponderExcluir
  9. Sina
    Djavan


    Pai e mãe, ouro de mina
    Coração, desejo e sina
    Tudo mais, pura rotina, jazz
    Tocarei seu nome pra poder falar de amor

    Minha princesa, art-nouveau
    Da natureza, tudo o mais
    Pura beleza, jazz

    A luz de um grande prazer é irremediável neon
    Quando o grito do prazer açoitar o ar, reveillon

    O luar, estrela do mar
    O sol e o dom, quiçá, um dia a fúria
    Desse front virá lapidar
    O sonho até gerar o som
    Como querer caetanear o que há de bom

    ResponderExcluir
  10. Emocionante mesmo teu texto, Vivien!
    Ótima tua idéia de atividade escolar!
    Se depois que a gente é mãe valorizamos mais as nossas, a mesma coisa acontece quando nos tornamos avós. É maravilhoso!

    ResponderExcluir
  11. Lord, também sinto muias saudades de minha avó. Essa história aqui mexeu muito comigo na época e nunca mais esqueci.;0)

    ResponderExcluir
  12. Anna, outro dia vi uma entrevista com o Midlin e ele disse que ouviu a frase mais linda do mundo dita por sua neta. Ao saber que ele não tinha convivido com seus próprios avós, a garotinha arregalou os olhos "coitado!! vc não sabe o que perdeu...".;0)

    ResponderExcluir
  13. Urubua, vc sabe como eles são....rs
    E eles ficaram super comovidos mesmo, foi muito bacana ter participado daquele momento.;0)

    ResponderExcluir
  14. Cláudia, foi importante pra ela e pra todos nós.;0)

    ResponderExcluir
  15. Thelma, só quem passou pelas perdas de uma guerra sabe o que significa. Pensei muito sobre isso tb.;0)

    ResponderExcluir
  16. Dri, foi o que as crianças fizeram.;0)

    ResponderExcluir
  17. Ana Paula, minha mãe sempre diz que se comove por aqui, mas histórias de avós sempre são tocantes mesmo.;0)

    ResponderExcluir
  18. Jayme, contar histórias é o que mais gosto de fazer, dividir esses "causos" é muito importante pra mim.;0)

    ResponderExcluir
  19. Clélia, é ouro de mina.;0)

    ResponderExcluir
  20. Rosamaria, foi muito bacana ter participado daquele momento.;0)

    ResponderExcluir
  21. Lulu, que bom que vc gostou.;0)

    ResponderExcluir
  22. Sibila10:36 AM

    Oi Viien, chegando atrasada, que belezura de texto e de história real! Beijoca.

    ResponderExcluir
  23. Vivien2:03 PM

    Sibila, que bom que vc gostou.;0)

    ResponderExcluir
  24. Vivien,

    Falando, ainda, em pai & mãe, lembrei-me de mais uma linda canção, do Gil, gravada, em forma de chorinho, em seu songbook, por Ney Matogrosso (ouça-a, clicando no título):

    Pai e mãe
    Gilberto Gil
    (intérprete: Ney Matogrosso)

    Eu passei muito tempo aprendendo a beijar
    Outros homens como beijo o meu pai
    Eu passei muito tempo pra saber que a mulher
    Que eu amei, que amo, que amarei
    Será sempre a mulher como é minha mãe
    Como é, minha mãe? Como vão seus temores?
    Meu pai, como vai?
    Diga a ele que não se aborreça comigo
    Quando me vir beijar outro homem qualquer
    Diga a ele que eu quando beijo um amigo
    Estou certo de ser alguém como ele é
    Alguém com sua força pra me proteger
    Alguém com seu carinho pra me confortar
    Alguém com olhos e coração bem abertos
    Pra me compreender

    Bjo,
    Clé

    ResponderExcluir
  25. Clélia, só vc mesmo.;0)

    ResponderExcluir
  26. Vivien, uma das minhas alunas é neta do professor Joel Rufino. Ele já foi algumas vezes na escola e eu sempre me emociono com as falas dele

    ResponderExcluir
  27. ***Cecy, é sempre uma experiência única, né? Grande beijo.

    ResponderExcluir
  28. Ana Maria Krutinsky2:00 AM

    ***Essa história que eu conheço bem, entrou na minha vida já adulta, mas me marcou pra sempre. Parabéns pelo relato. ****

    ResponderExcluir
  29. Que linda homenagem à minha Vózinha, e nem imaginava o quanto isso tinha sido marcante. Com certeza as histórias dela ficarão para sempre!!

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: