27 novembro 2008

Um basta para todos os imbecis


Todo blogueiro tem seu momento divã, certo? Taí, chegou o meu.
Hoje entrei aqui apenas pra dar um grito virtual...momento final de ano é um momento crucial para a tomata de decisões e uma delas, talvez uma nevrálgica, seja fazer um balanço de quem é possível levar ou não para o ano que vem. Quem segue com a gente e quem fica no ano que se encerra, junto com as coisas ruins, enterradinho no esterco.

Então é isso, eu levo:

1)Os alunos incríveis que conheci, esforçados e divertidos, turmas que nunca vou esquecer.
2)os blogs que decidi me tornar leitora compulsiva
3)os amigos que estão presentes há muito tempo e os amigos que revi e coloquei com carinhho, novamente, dentro da minha vida.
4)meus tios e primos, que pretendo ver com mais frequência.
5)os amigos que fiz no blog, blogueiros e não-blogueiros, que se tornaram parte da minha vida.
6)meu irmão Ricardo, que é arquiteto e lindo.

Quem eu deixo embaixo do esterco, longe de mim e pulando junto as pulgas...:

1) gente fofoqueira, intrigueira, que eu quero distância.
2) povo balzaquiano que se vê como adolescente e age de maneira patética.
3) alunos sacanas.
4) pessoas sem princípios, que perdem o amigo, mas não perdem a piada, geralmente tola.
5) gente fútil, cuja principal distraçao é falar sobre festas, modelos e outras coisas idiotas.
6) gente que bebe demais, vira o clássico bêbado chaaaato pra burro e faz da droga um ícone. Eca.

Juro que tentei ter paciência com o segundo grupo, tentei exercitar a alteridade.
Mas, gente, alegria não é histeria. As pessoas tomadas pela histeria, acreditando piamente que esse surto público possa ser traduzido como suposta alegria, são pessoas que estão ali, no limiar, no pré-surto. Saca o tipo que grita na rua e vai pra casa sozinho?
Eu juro que tentei relevar, não ser excludente.
Mas quer saber? Dane-se.
Cada um no seu quadrado.
E o meu quadrado é beeeem longe deles, me larga, me solta, me deixa.

13 comentários:

  1. Há! Adorei o desabafo. E duas coisas me chamaram a atenção: seu irmão arquiteto (por isso sua relação com a arquitetura né?) e o repúdio a essa gente adolescente ad eternum (coisa que também odeio).

    Um abraço!

    ResponderExcluir
  2. É isso aí! Sem medo de ser feliz!!!

    E da próxima vez que ´passar em Sampa avisa ( se bem que a gente não tava em casa...)

    Bjs

    ResponderExcluir
  3. Que bom ter os blogs como aliados dentro dessa busca pelo equilíbrio. Um ótimo exemplo de como o limão é perfeito para limonadas.

    ResponderExcluir
  4. E sempre muito bom ver seus posts publicados, tenho lido suas aventuras na Grande São Paulo...amei os relatos...Realmente tem coisas e situações na vida que temos que jogar fora, incluíndo momentos.
    Beijinhos carinhosos cheios de energias positivas do outro lado do oceano

    ResponderExcluir
  5. ***Charô, eu adoro arquitetura, por isso, quando meu irmão decidiu fazer, fiquei super animada. Adoro mesmo.
    Quanto aos adolescentes ad eternum, minha paciência com eles é nula: essa questão da auto-afirmação diária e sistemática é patética mesmo...
    beijão pra vc.


    ***Jaime, estou sem o tel de vcs...mas, na próxima, mando email pra vc e pra Maria do Carmo, ok?
    beijocas.


    ***Ana Carmen, essa busca é reconfortante, beijão.

    ***Dri, muitas saudades de vc!!! Mande fotos do casamento do Fábio, ok? Um grande beijo.

    ResponderExcluir
  6. Adelino9:09 AM

    Vivien, gostei do seu post.
    Você poderia acrescentar que detesta essas festinhas de aniversário que só começam depois da NOVELA DAS OITO... Todo mundo some até o final da dita cuja quando começa a aparecer com umas caras de otários(as) enganados(as). Quando não comentando o que lhe impingiram. Lamentável.
    Um grande abraço. Feliz final de semana.

    ResponderExcluir
  7. Adelino, ótimo...hahahah....
    beijos.

    ResponderExcluir
  8. Adelino, ótimo...hahahah....
    beijos.

    ResponderExcluir
  9. kkkkkkkkkkkkkkkkkk

    Eu penso alteridade como a convivência com a diferença, sem agressão. Só. O ´velho adolescente´ não precisa sentar no meu sofá. Juro! Nunca senti a necessidade de colocar pessas com valores que acho ´esquisitos´ na minha casa/vida. kkkkkkkkkkk

    Alteridade é para o coletivo. No individual, o que manda é a afetividade/afinidade.

    Muito axé e que os seus planos funcionem. Acho que vc vai ser mais feliz. rs

    beijos irmã

    :o)

    ResponderExcluir
  10. ***Frou, eu fico me cobrando, com medo de ser exigente demais, tentando entender o Outro ( isso tudo é culpa do Bruit!!!..rs), mas esse Outro aí, humpf...rs
    beijos.

    ResponderExcluir
  11. Maior apoio!
    Exemplo a ser seguido!

    ResponderExcluir
  12. Ana, final de ano é momento de faxina geral...rs
    beijos.

    ResponderExcluir
  13. Me batizei como blogueira há somente 3 dias e encontrei O Casa da Mãe Joana por aqui, mexendo. Gostei do post por sua maneira direta de dizer o que aprova ou não. E adorei o link para Clara Nunes.....muito boa!!!!

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: