17 junho 2008

Ensaio Sobre a Preguiça


Faz mais de vinte anos, eu tinha dezesseis anos e trabalhava em uma empresa que funcionava 24 h por dia. Literalmente. Meu turno era das seis ao meio dia, tinha conseguido essa pseudo-promoção aprendendo a digitar na hora do almoço: passei então a trabalhar como digitadora e em turnos de seis horas.

Nosso grupo era formado por meia dúzia de pessoas, o mais velho, o meu "chefe" - eles adoravam distribuir carguinhos porcaria pra ver se conseguiam controlar a turba assassina de funcionários - deveria ter pouco mais de vinte anos.

Os outros funcionários chegavam às oito: tínhamos , então, duas horas sem vigilância.

Começamos comprando coisa na padaria e fazendo um café da manhã coletivo. Mas isso começou a ficar cada dia mais longo, cada dia, enrolávamos mais.

A estratégia era a seguinte: ligávamos os pcs e ficávamos vagabundeando, até quase oito horas.

A nossa média de produtividade caia a cada dia, e "ninguém" sabia o motivo....

Digitadores tão rápidos perdendo produtividade...um mistério.

O mistério foi descoberto um dia. Estávamos na recepção: todo mundo deitado pelos sofás, eu , sem sapatos, com a cabeça no colo do meu "chefe", que mexia no meu cabelo ( ô, delicia) e ainda cantava pra mim. Tempinho bom....

A porta fez um barulho, não dava tempo de correr, apesar de alguns terem tentado: um dos donos havia chegado.Foi aquela situação constrangedora em que ninguém sabe o que dizer.

Quem tentou correr, foi pego no meio, tipo desenho animado. Levantamos vermelhos, sem dar nem desculpa. Eu calcei meus tênis - porque nessa outra vida eu usada tênis e não pintava as unhas, era uma outra Eu - subi para trabalhar, morrendo de vergonha.

Subimos meio rindo, meio assustados. Nunca ninguém falou disso, mas nunca mais tomamos nosso super café da manhã de duas horas.



****** texto publicado originalmente em 19/03/07

35 comentários:

  1. *



    o chefe, além de folgado, era expert em seduzir as funcionárias cabeludas.
    tô chocado aqui.





    *

    ResponderExcluir
  2. Xôn, era só um cafuné.....rs
    E o "chefe" era pouco mais do que um garoto.

    ResponderExcluir
  3. Chefe safado. Conheço bem o tipo.

    Naquele tempo não estava na moda o esquema de processar a empresa por assédio sexual? Você poderia levantar uma grana preta!!!

    ResponderExcluir
  4. E continuaram com o emprego?

    ResponderExcluir
  5. ah, como era bom o tempo em que os funcionários não se enganavam dizendo que eles têm uma 'obrigação moral' com o empregador... Precisamos recuperar a boa e velha luta de classes, de preferência nessa versão com chefe de 20 anos fazendo cafuné!

    ResponderExcluir
  6. Fiquei com preguiça de comentar.

    Um grande beijinho!

    ResponderExcluir
  7. História legal, muito legal. É uma delícia viver essas coisas na adolescência.

    ResponderExcluir
  8. O que um susto não faz com a gente, não? Até nos põe para trabalhar.
    Boa estória.

    ResponderExcluir
  9. Arnaldo, não era safado não....rs
    E foi a única pessoa que tentou me ensinar a batucar no pandeiro: fui um desastre e ele desistiu.;0)

    ResponderExcluir
  10. Tati, vc acha que eles iam achar um monte de gente pra trabalhar a troco da mixaria que a gente ganhava???..rs

    ResponderExcluir
  11. Urubua, a gente ainda nao tinha introjetado a vigilancia foucoutiana....ahhahah ( ih, escrevi errado...)

    ResponderExcluir
  12. Carmencita, sua preguiçosa....;0)

    ResponderExcluir
  13. Cláudia, gostoso é poder contar os causos pra vcs....;0)

    ResponderExcluir
  14. Lino, até consegue isso....um horror.!;0)

    ResponderExcluir
  15. Tarcisio4:40 PM

    Fiquei imaginando a outra vc correndo sem tenis pela empresa....

    Bj

    ResponderExcluir
  16. Tarcisio4:41 PM

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  17. Tarcisio4:41 PM

    Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  18. Bahhhh....que situaçao constrangedora! Mas o salário pedia, né?

    ResponderExcluir
  19. Tar, a minha outra eu não correu...foram os outros, eu calcei os tenis e subi, morrendo de vergonha...rs

    ResponderExcluir
  20. Thelma, exatoooo!!!!...rs

    ResponderExcluir
  21. O mundo precisa de mais chefes assim!

    Amo cafuné!!!!

    ResponderExcluir
  22. Ana, to contigo. Precisa mesmo.;0)

    ResponderExcluir
  23. que maravilha de emprego!! que delícia!!
    lá entao ninguem conhecia aquilo de 'vigiar e punir', entao??
    ô, pessoas sanas!!!! fazem falta nesse mundo onde "todos vigiam e controlam todos para que ninguem faça o que todos querem fazer".

    ô, fófis....! qdo virá em minha casa??

    estás convidada. vós e vosso rebento figura - aí podiamos chamar nosso amigo em comum e sua noiva, né?

    beijos,
    cris.

    ResponderExcluir
  24. Cris, ninguem tinha lido Foucault, a gente nem sabia que o fulano existia.;0)
    Vamos combinar sim, com certeza.E nosso amigo agora resolveu me sacanear...veja o comentário dele...rrsrsr

    ResponderExcluir
  25. eliza1:31 PM

    ah, que bom cafuné no trabalho... faz tempo...

    ResponderExcluir
  26. Eliza, era bom demais da conta.;0)
    beijocas.

    ResponderExcluir
  27. querida,
    ligue pra mim par conversarmos sobre o tal inferno astral fora de temporada.

    Está tendo um efeito El Niño psicológico.
    hahahhahaha
    beijso
    to no aguardo

    ResponderExcluir
  28. Oi Vi!
    Era pra ser uma passada rápida, pra dar um oi e agradecer a visita, mas não resisti e li o post republicado. Delícia. Saudades dessas histórias gostosissimas que tu contas tão bem. Gostei do novo layout do blog, mais ainda da foto sexy.
    Bjão

    ResponderExcluir
  29. Bah, Vivian, fiquei tão feliz em chegar aqui e encontar o Sean e a Thelma que nem sei o que dizer pra ti. Não sei há quanto tempo via esses dois.

    Cafuné é muito bom!
    Bjim.

    ResponderExcluir
  30. só para deixar meu novo endereço:
    http://mastix.tumblr.com

    ResponderExcluir
  31. mas aposto que não se arrpendeu, esse pulões são até bons hehehe

    ResponderExcluir
  32. ***Tati Gurua...heeeelp!
    Te ligo, beijos.

    ***Lipe, sumidérrimo!!! Um prazer te receber nessa casa hoje e sempre, beijocas.

    ***Rosamaria, esses comentários são velhos....rs
    grande beijo pra vc, sua foto está linda.

    ***Gabriela, já vou atualizar,
    beijos.

    ***Magui, delicioso, bateu saudades, beijos.

    ***Moni, claro que não, rimos muiiiito depois. beijos.

    ResponderExcluir
  33. Vivinha,
    Eita...tempinho bom, heim?????
    Bjs
    Mamãe

    ResponderExcluir
  34. Mãe, muiiiiiiiito.;0)
    beijos.

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: