03 janeiro 2011

Histórias de horror para colorir

















Éramos em cinco professores na mesa do Piola. Eu sempre achei o preço de lá um verdadeiro roubo, mas vocês sabem como sou provinciana. Meus fashion amigos iam sempre e decidi ceder, algumas vezes.
Então, após o papo básico cinema-música-política, a conversa caminhou para a infância de cada um.
Claro que qualquer ouvidinho curioso que estivesse buscando bordas do nosso papo, imediatamente sacaria que ali o estilo "infãncia-momento-feliz" não existia.
Eram pequenas histórias de horror, que provocavam gargalhadas. Dentre todas, me lembro desta aqui:
Um dos professores, alto, bonitão e engraçado, desfiava o rosário de sofrimentos de sua infãncia. Nada grave, nunca cortou cana pra sobreviver, apenas foi criado de forma muito rigorosa. Até os 18 anos, não tomou refrigerante. Sua mãe proibia e ele respeitava isso sistematicamente. O caso é que quando achou que era adulto, quando entrou na unicamp, se matou de tomar coca-cola, com ares de pecado eterno. Disse que comprava e tomava, triunfal.
Usou mochila do Cebolinha até o terceiro ano do ensino médio, comia solitariamente uma maçã nos intervalos que pareciam durar séculos.
Mas o pior, o pior mesmo, aconteceu no pré.
Em uma aula, ele sentiu que uma quantidade considerável de gases queria sair de seu traseiro, assim, em plena aula.
Com uma força hercúlea, segurou as pontas, até que a natureza venceu. Infelizmente, junto aos tais gases, seu traseiro expulsou também uma pequena - mas lamentável - quantidade de um outro elemento mais escatológico.
Entrou em pânico. Parado, estático, esperou um momento. Pediu pra sair e foi direto para o banheiro, onde tirou a cuequinha. Com medo de ser descoberto, teve a genial idéia de escondê-la. Saiu, assobiando, olhando pra um lado, pro outro, decidiu ir até a quadra e esconder a prova do crime dentro do cano da trave de futebol.
Voltou pra sala, pensando ter cometido o crime perfeito.
Dias depois, uma servente balança, diante de todas as crianças, uma cuequinha - devidamente limpa - perguntando de quem seria. A criançada se torce de rir, e K., estático, ficou olhando fixamente a cuequinha.
Diante dos nossos risos, disse:
- Era do piu-piu. Eu sempre odiei o piu-piu.



********publicado originalmente em 2008.

10 comentários:

  1. muito boa a historia da cuequinha... nunca tive essas fashion de bichinhos, as minhas sempre foram classicas. so depois de velho fui ter uma do piu-piu... talvez uma satisfação reprimida da infancia... :-)

    ResponderExcluir
  2. Incompetente. Se ao menos fosse do Frajola, vá lá!
    Beijo, menina

    ResponderExcluir
  3. ****Tarcísio, hahahahhahahahahahahahahahah....
    beijos.;0)

    ****Walter, Piu-piu é de matar mesmo...beijos.;0)

    ResponderExcluir
  4. Putz, mãe rigorosa faz a gente passar cada uma... hehehe... Um dia, numa mistura de preguiça da véia aliada à pobreza que reinava absoluta, me vi sem calça comprida limpa para ir à escola. De nada adiantou espernear, reclamar, chorar: vai pra aula ou apanha! Lá fui eu de calça curta pra uma classe de criaturas cruéis e sem coração. Eu queria morrer ou me enfiar terra adentro. Que coisa! A gente nunca esquece essas cenas de horror...

    ResponderExcluir
  5. Adelino8:51 AM

    Vivien, quando crianças, principalmente se tímidas sofremos muito com esses imprevistos. Imagino o dilema de seu amigo.
    Você tem um estilo muito suave, claro, engraçado de contar histórias. Por quê não um livro nesse estilo? Ou já tem?
    Um abraço, e ótima semana pra você.

    ResponderExcluir
  6. *** Vladimir, essas vergonhas são absolutamente inesquecíveis....rs
    beijos.;0)

    ***Adelino, ainda não, mas tenho planos pra elaborar algo....beijos e obrigada.;0)

    ResponderExcluir
  7. gente, passei por aqui e achei INCRIVEL o blog! parabéns!!!!

    eu, qndo criança, abria o caraaaaaaio da minha lancheira e minha mae sempre colocava bolachinha do Fofão.

    e eu digo:
    Era do fofão. Eu sempre ODIEEEEEEEEEEEI o fucking Fofão!
    hahaha

    ResponderExcluir
  8. Drymartini, volte sempre.
    Fofão era o ó, nossamãe...rsrs
    beijos.

    ResponderExcluir
  9. Anônimo7:59 PM

    Oi Vivien,
    Sou um ex-aluno seu, a mais ou menos...3 anos.
    E como adorei o ANONIMO(por que não tina o circunflexo em nenhum), eu descide me refugiar no anonimato também.
    Bom, adorei esse posts, eu por exemplo tive umas situações na suas aulas...Mas esse cara, foi um pouco estranho ter colocado no cano da quadra, eu jogaria fora.

    ASS:ALUNO ?

    ResponderExcluir
  10. *** Aluno, concordo...rs
    beijocas.

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: