12 setembro 2008

A plebe rude






Não é difícil dizer porque me fascinei tão rapidamente pelo movimento Anarquista.
Porque esses militantes, ainda no início do século passado, já compreendiam as mulheres como cidadãs, como pessoas que podiam estudar e produzir.
Havia espaço pra intelectuais como Berta Luz ou Maria Lacerda de Moura ( essa última, escrevendo livros com títulos como "Amai-vos e não vos multipliqueis" ou "Fascismo – filho dileto da Igreja e do Capital ") usando pedagogia Ferrer e se destacando como professora e anarquista.
O incrível nesses caras é que dentro de uma estrutura escolar violenta, autoritária, dogmática e cerceadora, eles criaram escolas mistas, onde os alunos podiam frequentar laboratórios, debater e - maravilha das maravilhas - eliminaram as avaliações com notas.
As avaliações deveriam servir para que o aluno percebesse suas falhas, seus limites, não para que fossem excluídos e/ou que houvesse uma competição feroz, ou pior ainda, que fossem vítimas de vinganças de professores hostis.
Claro que agora, com todos os alunos enlatados na concepção de que é necessário haver nota, fica difícil nadar contra a maré. Estudar sem esse tipo de avaliação requer uma autonomia, uma independência que os alunos poucas vezes são estimulados a ter.
Meu primo, professor da faculdade de medicina em uma univerdidade federal concorridíssima, diz que tem ímpetos de matar a criatura, quando um aluno pergunta:
" isso cai na prova?"
Preferia queimar todas as provas, buscando um aluno que estudasse por outros motivos, como queriam meus anarquistas.
Há alguns anos, pensei em escrever um trabalho comparando a concepção de imprensa que eles tinham, com a veiculada na chamada imprensa burguesa. Porque os libertários tinham a certeza de que a imprensa era um meio de divulgação de idéias, que era uma ferramenta. Nunca tentaram entrar no teatrinho da "imparcialidade".
Não escrevi esse trabalho, mas participei de duas pesquisas que incluiam os ácratas e isso me deu a oportunidade de ficar horas no Arquivo Edgard Leuenroth, lendo sofregamente jornais como A Plebe, O amigo do Povo, A Batalha, entre tantos outros.
Melhor do que isso, impossível.
Bom, há algo melhor sim. melhor seria se essa perspectiva anarquista, esse estímulo a autonomia, a cooperação, a ação do coletivo, fosse desenvolvida por todos. Mas eu confesso que já não espero mais isso.

8 comentários:

  1. Adelino4:49 PM

    Vivien, lê com bastante atenção a sua crônica. Ao final você escreve: "...Bom, há algo melhor sim. melhor seria se essa perspectiva anarquista, esse estímulo a autonomia, a cooperação, a ação do coletivo, fosse desenvolvida por todos. Mas eu confesso que já não espero isso".

    A unanimidade de pensamentos não existe e nunca existirá. Não perca, pois a esperança.
    Um abraço. Ótima semana pra você.

    ResponderExcluir
  2. Um viva aos Anarquistas! Eu ainda vou conhecê-los melhor.

    Dá uma passada neste link depois para ver a foto em homenagem à foto do teu post anterior: http://www.redbubble.com/people/balakov

    Beijo.

    ResponderExcluir
  3. ***Querido Adelino, como sempre, vc tem razão. Grande beijo e obrigada pela leitura.
    ;0)

    ***Shira, vale a pena visitar o Arquivo Edgard Leuenroth, aqui na Unicamp, um dos melhores do mundo. O acervo sobre anarquismo é imenso e interessante demais.
    Grande beijo. ;0)

    ResponderExcluir
  4. Vivinha...
    huuuummmmm...anarquistas...graças a Deus...muito pra cabeça.
    Bjs
    Mamãe

    ResponderExcluir
  5. Mãe, anarquistas maraaaavilhosos..beijos.

    ResponderExcluir
  6. Você é de SP? Conbhece o CCS? O CCS é um centro de cultura social onde reunem-se pessoas que desejam discutir o movimento anarquista.
    Se desejar mande-me um e-mail que lhe mando informações. Meu e-mail é carrasco.alexandre@gmail.com.

    ResponderExcluir
  7. Existe um lugar bem interessante para discutir idéias anarquistas. È o CCS. Vc é de SP?
    Se desejar informações mande-me um e-mail. Meu e-mail é carrasco.alexandre@gmail.com

    ResponderExcluir
  8. Alexandre, obrigada pela dica, volte sempre! beijos.

    ResponderExcluir

Queridinho, entre e fique à vontade: